Rua Thomás Deloney, 230 - São Paulo-SP 11 3205-4668

Risk Assessment

Sistemas de energia no break (UPS):

Avaliação da solução adotada para o Sistema UPS (arquitetura, capacidade final, redundância, confiabilidade e tecnologia dos equipamentos adotados). Avaliação da capacidade utilizada, reservas, redundância e possibilidade de expansão.

Sistema de baterias estacionárias:

Avaliação da capacidade e da autonomia nominais e da capacidade e da autonomia reais, da adequação do tipo e tecnologia da bateria utilizada, da degradação do sistema de baterias por tempo ou utilização inadequada, do risco de operação em função da autonomia real. Possibilidades de falha do sistema. Possibilidades de acréscimo ou crescimento de consumidores.

Avaliação de PDU’s:

Avaliação da capacidade utilizada, das tensões e correntes de fase e linha, de sobrecargas e redundâncias, da possibilidade de acréscimo de consumidores, da instalação e de contingências operacionais.

Seletividade e proteção da instalação:

Levantamento de cabos e proteções dos circuitos críticos principais. Avaliação de curvas de disjuntores em coordenação com os tipos de cabos utilizados e correntes nominais e reais. Apreciação do comportamento em curto-circuito em função da seletividade existente (comportamento proteção x cabo em condições de sobrecarga e de curto-circuito).

Grupos geradores e usinas:

Levantamento de equipamentos motor e gerador, proteções, chaves/contatores e cabos utilizados. Avaliação dos equipamentos segundo sua tecnologia, tempo de uso e estado de manutenção. Avaliação do sistema de controle, da arquitetura adotada no projeto do Sistema de Geração de Emergência e intertravamento com a rede da concessionária, da condição em uso em paralelo com a rede e das condições técnico-econômicas da geração em ponta e fora de ponta.

Subestações e aumentos de carga junto à concessionária:

Levantamento de dados dos transformadores e proteções de MT (Média Tensão). Levantamento de dados do QDG (Quadro de Distribuição Geral) normal e essencial. Avaliação de correntes e tensões de linha e fase em BT (Baixa Tensão), do percentual de potência utilizado, do limite de operação, de redundância dos transformadores e da capacidade de crescimento sobre os equipamentos existentes. Análise do crescimento do consumo, das possibilidades de acréscimo na subestação, da temperatura e aumento da temperatura, das necessidades de exaustão, das providências necessárias junto à concessionária de energia para acréscimo na subestação e das necessidades de obras e acréscimo de equipamentos.

Aterramento e supressão de transientes elétricos:

Análise da arquitetura do sistema de distribuição do potencial de terra, avaliação e medição da integridade do sistema de distribuição do potencial de terra. Medição da resistência da malha de terra pelo método de Wenner ou equivalente técnico. Medição da resistência da malha de terra a partir da barra de terra em cada sala. Laudo de Aterramento com Anotação de Responsabilidade Técnica (ART).

SPDA – Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas:

Avaliação da arquitetura e geometria do sistema SPDA segundo a NBR 5419. Avaliação da integridade dos cabos do SPDA e da Gaiola de Faraday. Medição da integridade do SPDA. Medição da resistência da malha de terra pelo método de Wenner ou equivalente técnico. Laudo de SPDA e Aterramento com ART.

Qualidade da energia:

Avaliação da qualidade da energia entregue pela concessionária e pela energia gerada pelos no breaks e geradores de emergência.

Análise termográfica:

Análise termográfica dos barramentos, disjuntores e pontos de conexão nas fontes de corrente contínua, sistemas no break, sistemas de geração de emergência, subestação e quadros de distribuição correlacionados em cada um dos sistemas mencionados.

Avaliação da carga térmica:

Avaliação da carga térmica real instalada na sala de equipamentos e avaliação da possibilidade de crescimento.

Avaliação da solução de climatização adotada:

Avaliação do tipo de sistema de climatização adotado para a sala de equipamentos em relação às condições prediais existentes na localidade bem como o layout existente da sala de equipamentos da Central ou Data-Center.

Avaliação de pontos quentes:

Análise termográfica do ambiente. Avaliação com termo higrômetro. Avaliação do layout dos equipamentos na sala. Localização de corredores “quente/frio”. Avaliação das não conformidades do layout de equipamentos.

Avaliação do rendimento energético do sistema de ar condicionado.

TEMOS ENGENHEIROS COM CERTIFICAÇÃO ACCREDITED TIER DESIGNER NO UPTIME INSTITUTE.